• José Osterno

ANDREW SOLOMON E AS PALAVRAS DA MÃE


Na vida, muitas vezes, o aparentemente desimportante é o que verdadeiramente importa; o que parece insignificante é o que tem verdadeiro significado; o ordinário é o que é, de verdade, extraordinário.


Em entrevista ao jornal ‘O Estado De S. Paulo’ (edição de 19.12.2020, página H5), Andrew Solomon, escritor americano, autor de ‘Um Crime da Solidão: Reflexões sobre o Suicídio’ e ‘Demônio do Meio-Dia’, ao ser perguntado sobre o que, particularmente, teria aprendido com a pandemia do Covid-19, respondeu: “Penso o tempo todo nas últimas palavras da minha mãe. Ela estava no quarto com meu pai, meu irmão e eu e disse: ‘Procurei por tantas coisas nessa vida e o tempo todo o paraíso estava aqui, com vocês três’. Quero viver uma vida baseada, em certo sentido, nessa ideia”.


É simples, assim: na vida, não se deve esquecer de “viver os detalhes pequenos”.


José Osterno

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo