• José Osterno

POEMA PARA LISAVIETA



Não vás à casa de tua irmã,

Lisavieta.

Que o breu da noite

não tarda.


Não vás à casa de tua irmã,

Lisavieta.

Que Raskólnikov ali

espreita.


Não vás à casa de tua irmã,

Lisavieta.

Que Dostoiévski

não é confiável.


Não vás à casa de tua irmã,

Lisavieta.

Que na casa de Aliena Ivánovna

se mata, com um machado.



José Osterno Campos de Araújo

3 visualizações